Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Um gigantesco buraco negro adormecido desencadeia a formação de estrelas

 A gigantic dormant black hole triggers star formation.

Astrônomos americanos detectaram um número incomum de estrelas no distante aglomerado de galáxias SpARCS1049. A falta de controle em sua formação se deve à inatividade do buraco negro supermassivo que deve regulá-los naquele setor do universo.

Uma equipe de cientistas do Observatório de Raios-X Chandra, da Nasa, concluiu que a superpopulação de estrelas que pode ser vista no aglomerado de galáxias chamado SpARCS1049 tem origem na falta de atividade de um buraco negro supermassivo, que cumpre com precisão a função de regular a formação estelar. De acordo com um comunicado de imprensa, a descoberta pode lançar luz sobre as consequências da inatividade dos buracos negros em diferentes circunstâncias.

O SpARCS1049 está a exatamente 9,9 bilhões de anos-luz de distância da Terra. É um aglomerado de galáxias, ou seja, uma estrutura formada por centenas ou milhares de galáxias, dotada de gás quente e com grandes emissões de raios-X. Normalmente, um buraco negro supermassivo está localizado na galáxia central do aglomerado, produzindo energia que permite controlar a formação de estrelas.

No entanto, observações anteriores feitas com o Telescópio Espacial Hubble da NASA e o Telescópio Espacial Spitzer indicaram que no SpARCS1049 as estrelas nasceram a uma velocidade impressionante, bem acima da média conhecida. Foi registrada a formação de cerca de 900 novos sóis de massa por ano, uma taxa 300 vezes mais rápida do que a observada em nossa galáxia, a Via Láctea.

Os astrônomos indicaram que, com essa velocidade, todas as estrelas encontradas na Via Láctea poderiam se formar em cerca de 100 milhões de anos. Pelo contrário, sabe-se que a nossa galáxia tem uma idade que ultrapassa os dez mil milhões de anos, sendo consequentemente um período extremamente curto para a formação de todas as estrelas que a compõem.

Gás mais denso e frio

A partir desses dados, os astrônomos começaram a se perguntar sobre as razões para essa anomalia no aglomerado de galáxias SpARCS1049. Algo teria que estar errado para que a taxa de formação estelar fosse tão explosiva e desmedida. Buscando mais detalhes, os especialistas determinaram que a produção estelar incomum ocorre a cerca de 80 mil anos-luz de distância do centro do SpARCS1049, em uma região distante de qualquer uma das galáxias que fazem parte do aglomerado.

Os dados fornecidos pelo Observatório de Raios-X Chandra nos permitiram resolver essa questão. Verificou-se que no setor onde há maior geração de estrelas, o gás é mais denso do que na média da área e esfriou a uma temperatura em torno de 10 milhões de graus, quando a temperatura usual no aglomerado de galáxias estudado está localizada em 65 milhões de graus.

As temperaturas mais baixas permitem uma maior produção de estrelas, explicando o aumento do ritmo e da quantidade. Mas os astrônomos também concluíram que o resfriamento se deve à inatividade do buraco negro supermassivo localizado no centro do SpARCS1049, que deve regular a produção estelar emitindo energia para seu entorno.

Um buraco negro adormecido e faminto

Tudo indica que o buraco negro gigante adormeceu devido à ausência de uma fonte de combustível que alimente sua atividade.

É que o gás mais denso que poderia alimentá-lo se afastou consideravelmente do centro do aglomerado de galáxias, devido a uma colisão produzida em algum ponto entre dois grupos menores de galáxias. Justamente esse embate permitiu a criação do SpARCS1049.

Por fim, os cientistas acreditam que uma melhor compreensão desse tipo de buracos negros supermassivos sem atividade poderia aumentar o conhecimento dos especialistas sobre as condições de formação das primeiras estrelas do universo.

Imagem principal: DERF/NC