Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Um chip cerebral chinês permite que um macaco controle uma mão robótica com o pensamento


A Neuralink pode em breve se deparar com concorrentes asiáticos? A empresa chinesa acaba de introduzir um chip para o cérebro, que pode competir com as realizações de Ilona Mask. Seja como for, a startup americana já tem uma vantagem significativa ao iniciar testes em humanos, enquanto seu potencial concorrente chinês está apenas na fase de testes em animais. No entanto, o progresso do lado chinês é promissor: um dos participantes do teste foi capaz de controlar mentalmente uma mão robótica.

NeuCyber Array BMI é o nome da nova interface de máquina cerebral desenvolvida pela empresa chinesa Beijing Xinzhida Neurotechnology. O anúncio foi feito na cerimônia de abertura do fórum Zhongguantsun-2024. Este evento, realizado em Pequim, é dedicado à inovação tecnológica e científica.

De acordo com a mídia Xinhua, o último evento no vídeo mostrou um teste do sistema BMI NeuCyber Array no macaco. O vídeo mostra um macaco com eletrodos flexíveis implantados em seu cérebro. Os quadros mostram que o animal estava fechado em uma pequena caixa de plexiglass. Antes dele estava uma mão robótica, que o macaco podia controlar com a ajuda do pensamento. Após várias tentativas, o macaco conseguiu enviar uma mão robótica para pegar morangos.

A foto foi tirada no estande da Beijing Xinzhida Neurotechnology. © Xinhua

Três componentes fundamentais

Como outras interfaces cérebro-máquina, o NeuCyber Array BMI é projetado para capturar e processar os sinais elétricos dos neurônios. Ele descriptografa as intenções do usuário em relação ao movimento e as converte em comandos que controlam o dispositivo conectado (neste caso, uma mão robótica).

O sistema NeuCyber consiste em três componentes principais. O primeiro — é uma rede de pequenos eléctrodos flexíveis que podem ser instalados no cérebro de forma minimamente invasiva. Esses microeletrodos capturam sinais elétricos gerados por neurônios. O segundo componente-chave do — é um sistema de alta velocidade para recolher sinais neurais de mil canais para processar informações captadas por microeletrodos.

O sistema pode processar sinais de diferentes áreas do cérebro ao mesmo tempo, o que aumenta o número e a precisão dos sinais capturados. O terceiro componente do — é um algoritmo geral para descodificação neural, baseado num mecanismo de controlo líder. Essa tecnologia é responsável por analisar e decifrar as intenções do usuário. O mecanismo de controle avançado ajuda o sistema a prever ações futuras com base em sinais cerebrais, o que permite que o dispositivo responda de maneira mais natural e intuitiva.

E quanto ao risco de os animais participarem nos testes?

Ao contrário do chip cerebral Neuralink, que tem sido amplamente coberto na mídia internacional, a tecnologia NeuCyber Array BMI permanece relativamente desconhecida (pelo menos fora da China). Portanto, é difícil traçar o caminho exato de desenvolvimento dessa tecnologia, incluindo testes preliminares realizados pela empresa.

Lembre-se de que os testes realizados pela Neuralink causaram muita controvérsia, principalmente devido à morte de vários macacos. A empresa chinesa, por outro lado, enfatiza a flexibilidade do design de seus eletrodos, argumentando que isso é projetado para reduzir o desconforto e os danos ao tecido cerebral. No entanto, isto não garante, em caso algum, a ausência de riscos e consequências para os animais que participam em experiências.