A síndrome da fadiga crônica é ‘puramente biológica’, confirma estudo


A síndrome da fadiga crônica, caracterizada por fadiga severa, não é psicossomática, mas tem origem biológica, confirma o estudo. Também conhecida como "encefalomielite miálgica", a sigla ME/CFS apresenta sintomas como fadiga intensa e persistente, dificuldade de concentração, insônia ocasional, perda de memória e, às vezes, dores musculares e articulares. A causa exata permanece desconhecida, por isso não há cura até o momento. Em suma, esta doença tem confundido os cientistas há décadas. Recentemente, pesquisadores levantaram o véu sobre uma série de mecanismos-chave que podem explicar a origem da SFC (Síndrome da Fadiga Crônica).

Em 2016, os Institutos Nacionais de Saúde dos EUA (NIH) conduziram um estudo em larga escala sobre a síndrome da fadiga crônica (ME/CFS). Este estudo, conduzido muito antes do surgimento da COVID-19, é um dos estudos mais aprofundados da doença. Em março de 2024, após oito anos, a conclusão foi finalmente feita. Os cientistas que conduziram o estudo consideram o ME/CFS "biologicamente inequívoco". Ou seja, de acordo com os resultados obtidos, trata-se de uma doença puramente biológica.

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores analisaram um grupo de 17 pessoas que desenvolveram EM/SFC após uma infecção. Especificamente, eles encontraram diferenças biológicas analisando vários marcadores sanguíneos. "No geral, mostramos que ME/CFS é biologicamente inequívoca e afeta vários sistemas de órgãos", disse a neurologista Avindra Nath, principal autora do estudo e diretora clínica do Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Acidente Vascular Cerebral (NINDS) dos Institutos Nacionais de Saúde (NIH), em comunicado.

Apesar do fato de que a SFC está incluída na classificação internacional de doenças, os pacientes muitas vezes não recebem uma resposta clara quando vão ao médico. Até hoje, os médicos tendem a acreditar que esses sintomas estão principalmente relacionados a transtornos psicossomáticos, ansiosos ou depressivos. No entanto, os resultados de um estudo de 2016 realizado no NIH podem mudar definitivamente a situação. "É uma doença sistêmica e as pessoas que sofrem com ela merecem ser levadas a sério", continua Nat.

CFS: Depleção do sistema imunológico?

A fadiga crônica afeta cerca de 1 em cada 200 pessoas nos países industrializados. Os doentes geralmente experimentam fadiga física e mental constante, que é apenas temporariamente aliviada pelo descanso. Então, o que está causando isso? Foi isso que Nat e sua equipe tentaram descobrir, submetendo os participantes do estudo a sessões de imagem cerebral funcional (fMRI) e vários testes imunológicos.

Resultados: Por um lado, o estudo constatou que alguns participantes diagnosticados com EM/SFC não apresentavam sinais biológicos da doença, e os testes cognitivos eram normais. No entanto, por outro lado, a maioria dos participantes tinha ativação crônica do sistema imunológico e tinha uma frequência cardíaca de repouso significativamente maior do que o normal. Acredita-se que essas mudanças no sistema imunológico, além de alterar a microbiota intestinal (em particular, uma população menos diversificada de bactérias), afetem o sistema nervoso central, levando a níveis mais baixos de catecóis (compostos químicos que ajudam a regular o sistema nervoso).

Além disso, o estudo descobriu que a região temporoparietal direita (a parte do cérebro que desempenha um papel fundamental na percepção da fadiga) não funcionou normalmente em participantes com EM/SFC. Na verdade, quando uma pessoa saudável está engajada em exercícios físicos ou mentais, a atividade intensa geralmente é vista na fMRI (ressonância magnética funcional). No entanto, em pacientes que sofrem de síndrome da fadiga crônica, a atividade é muito baixa.

"Podemos ter identificado um ponto fisiológico de convergência da fadiga nessa população", explica Brian Wolytt, principal autor do estudo e pesquisador do NINDS especializado em ME/CFS. "Mais do que exaustão física ou falta de motivação, a fadiga aqui pode ser o resultado de um descompasso entre o que uma pessoa acha que pode alcançar e do que seu corpo é capaz", acrescentou. De qualquer forma, mais pesquisas são necessárias. A principal limitação deste estudo é o número limitado de participantes (amostra pequena).
Gustavo José
Gustavo José Fascinado pelo mundo do terror e do suspense, sou o fundador do blog Terror Total, onde trago histórias envolventes e arrepiantes para os leitores ávidos por emoções fortes.

Postar um comentário em "A síndrome da fadiga crônica é ‘puramente biológica’, confirma estudo"

*Traduzido de site parceiro